Pesquisar neste blog:

domingo, 30 de junho de 2013

ESCOLHA O VINHO CERTO PARA TE AQUECER NO INVERNO

Por João Renato Faria


Aquela cerveja gelada que é a cara do verão não costuma ter muito espaço durante os três meses de inverno. Para encarar o frio, quem ganha espaço nas mesas é o vinho. Os mais encorpados são a companhia perfeita para as receitas da estação, que costumam ser mais pesadas e gordurosas. "É uma época em que comemos muita carne vermelha e muitos molhos”, diz Gustavo Giacchero, sommelier gerente da Enoteca Decanter. A sugestão para preencher as taças são os tintos, principalmente os feitos com uvas pinot noir.




Confira outras dicas

De olho na graduação alcoólica

Para dar a sensação de calor no peito, o vinho deve ter um teor de álcool mais elevado. Os rótulos mais vendidos no mercado são 13 ou 14 graus de graduação alcoólica. "Os que têm acima disso dão aquela impressão de aquecimento", diz a consultora de vinhos do restaurante Provincia di Salerno, Júlia Grossi.

Fique de olho na temperatura

Esqueça aquele papo de que o vinho deve ser servido à temperatura ambiente. Os tintos devem ficar entre 16 e 21 graus. Vale a pena investir em uma adega climatizada, que mantém a bebida no ponto. Mas quem não puder, pode usar a geladeira. Deixe a garrafa na porta assim que chegar em casa e retire 40 minutos antes de servir. Assim, o vinho fica na temperatura certa.

Preste atenção nos australianos

O país da Oceania produz vinhos com teor alcoólico mais elevado. Segundo Giacchero, o culpado é o aquecimento global, que deixa as uvas da região com mais glicose - e consequentemente, mais álcool quando transformadas em bebida. "Os tintos de lá costumam ser mais fortes, como pede a estação", diz.

Não abandone o vinho branco

Apesar do tinto ser o mais indicado para o inverno, os brancos também têm seu lugar no cardápio. Quando for harmonizar um fondue de queijo, por exemplo, vale investir em um feito com a uva riesling, comum na Alemanha. "Ele é mais encorpado e combina bem com a estação", diz Júlia Grossi.


- CRÉDITOS -

Veja BH

terça-feira, 25 de junho de 2013

50 MELHORES JOGOS DA HISTÓRIA DO CAMPEONATO BRASILEIRO - PARTE 01

Por Humberto Peron | Fotos: Arquivo Editora Globo; O Globo; Getty



O torcedor é um saudosista por excelência. Quem nunca procura a lembrança de uma grande  partida, principalmente quando o seu time vive um  momento ruim? Ao mesmo tempo, o apaixonado também vive a esperança de que o clube vá vencer o próximo jogo. Por isso, na semana em  que começa o Brasileirão, pesquisamos as 15.632 partidas do Brasileirão para compor uma lista histórica, contendo pelo menos um  confronto importante de cada edição, para que os torcedores se lembrem das glórias do seu time e possam esperar outras grandes vitórias nos  próximos meses. Estaremos dividindo os 50 jogos em 5 posts:

50º
Fluminense 1 x 0 Guarani

Data: 2/12/2010 > Edição: 2010


A tarefa parecia fácil. Uma vitória simples, jogando no Engenhão lotado contra o rebaixado Guarani, daria o título ao Fluminense. Quando a bola rolou, o Bugre mostrou que não iria facilitar nada para o Tricolor. Bem marcado, o craque Conca não conseguia armar as jogadas de ataque. A ansiedade só terminou quando Emerson Skeik marcou o gol da vitória, aos 16 minutos do segundo tempo. A partir daí foi só esperar o apito do árbitro e comemorar, assim como fez o zagueiro Leandro Eusébio subindo em uma das traves do estádio.

49º

São Paulo 6 x 0 Paraná
Data: 1º/9/2007 > Edição: 2007

Comandado por Muricy Ramalho, o São Paulo conquistou três títulos seguidos: 2006, 2007 e 2008. Mesmo com o tricampeonato, não faltavam aqueles que criticavam a equipe pelo seu estilo de jogo pragmático, com um sistema defensivo sólido, que garantia muitas vitórias pela contagem mínima. Nessa partida, o time provou que, quando possível, a equipe também poderia jogar ofensivamente e dar espetáculo marcando vários gols.


48º

Santos 2 x 1 Goiás
Data: 14/11/2004 > Edição: 2004

Faltando cinco rodadas para o término da competição, o Atlético-PR abriria confortáveis cinco pontos de vantagem na tabela de classificação, caso o Goiás continuasse ganhando do Santos. Mas, em apenas dois minutos – aos 41 e 42 do segundo tempo, o time santista conseguiu a virada incrível com gols do veterano Basílio e do então novato William. Graças à vitória suada, o Peixe ficou com a taça e terminou a competição com três pontos de vantagem.


47º

Portuguesa 2 x 3 São Paulo
Data: 8/11/2008 > Edição: 2008

A Portuguesa, tentando escapar da zona do rebaixamento, tinha a torcida dos times que disputavam o título com o São Paulo. O clube do Canindé fez uma das suas melhores exibições no torneio, conseguiu empatar a partida em duas oportunidades e ficou perto de conseguir a virada. Para tristeza de todos que esperavam um bom resultado da Lusa naquele sábado, o artilheiro Borges estava inspirado e fez os três gols do São Paulo.


46º

Vasco 2 x 1 Santos
Data: 21/7/1974 > Edição: 1974

O jogo entrou para a história, pois foi nele que Pelé fez seu último gol em um Brasileirão. Foi numa linda cobrança de falta. Mas mesmo com o camisa 10 santista fazendo o seu, o Vasco conseguiu a vitória com gols marcados por Luís Carlos e pelo jovem Roberto Dinamite, que fez o tento do triunfo vascaíno aos 43 minutos do segundo tempo. Com essa vitória, o clube da Colina deu um passo fundamental para disputar a final.


45º
Portuguesa 5 x 5 Figueirense
Data: 10/5/2008 > Edição: 2008

Além dos 10 gols, esta partida, válida pela primeira rodada do Brasileirão 2008, teve várias reviravoltas no placar e só foi decidida no último lance do jogo. Depois de terminar vencendo o primeiro tempo por 2 a 1, a Lusa conseguiu abrir 5 a 2 aos 14 minutos da etapa complementar. Só que, depois de o time da casa ter um jogador expulso, o Figueira conseguiu uma reação espetacular e anotou o gol do empate aos 47 minutos.


44º

Flamengo 3 x 0 Atlético-PR
Data: 12/5/1983 > Edição: 1983


Em séries com jogos de ida e volta, é obrigatório procurar sempre abrir a maior vantagem de gols possível quando se joga em casa. Foi isso que o Flamengo fez, mesmo correndo poucos riscos na partida. E os paranaenses não tiveram nenhuma chance no jogo. A vantagem de três gols foi fundamental para que o time da Gávea chegasse à final – o rubro-negro foi campeão daquela edição -, já que no jogo em Curitiba o CAP acabou vencendo por 2 a 0.


43º

Grêmio 0 x 1 Flamengo
Data: 25/4/1982 > Edição: 1982

Não é à toa que o centroavante Nunes recebeu o apelido de “artilheiro das decisões”. Assim como em 1980, ele fez o gol que deu o título do Brasileirão ao Flamengo. O tento aconteceu logo aos 10 minutos, quando, após receber a bola de Zico, o atacante acertou um chute rasteiro que Leão não conseguiu deter. Outro destaque na grande decisão foi o goleiro Raul, que, com vários milagres garantiu a vitória flamenguista.

Confira a ficha técnica, lances e reportagens desse jogo em:http://futpedia.globo.com/campeonato/campeonato-brasileiro/1982/04/25/gremio-0-x-1-flamengo

42º

São Paulo 2 x 0 Internacional
Data: 17/9/2006 > Edição: 2006

Três meses após os gaúchos baterem o São Paulo na final da Libertadores, os dois times disputavam a liderança do Brasileiro. O time paulista tinha um ponto de vantagem (44 a 43), faltando 14 rodadas para o final. Por isso, o jogo ganhou um ar de decisão e revanche para os  são-paulinos. Numa partida muito equilibrada, o time do Morumbi conseguiu a vitória graças aos gols de Lenílson e Júnior.


41º

Grêmio 2 x 0 Portuguesa
Data: 15/12/1996 > Edição: 1996


Sensação da fase final do torneio, a Portuguesa estava muito próxima de conquistar o título. A equipe paulista – que poderia perder a decisão por um gol de diferença – tinha a partida sob controle, mesmo tomando um gol nos primeiros momentos do jogo e teve boas chances de empatar.  Mas aos 39 minutos do segundo tempo a bola sobrou para o meia Aílton marcar o gol do título gremista.

Confira a ficha técnica, lances e reportagens desse jogo em:http://futpedia.globo.com/campeonato/campeonato-brasileiro/1996/12/15/gremio-2-x-0-portuguesa

- CRÉDITOS -

Portal GLOBO.COM 

quinta-feira, 20 de junho de 2013

APRENDA A HARMONIZAR CERVEJA COM ENTRADAS, PRATOS PRINCIPAIS E SOBREMESAS

Cerveja é uma bebida sem frescura e combina perfeitamente com uma mesa de bar. Mas, de uns anos para cá, ela se sofisticou e mudou de status. A variedade de estilos e sabores é quase tão grande quanto a do vinho. Nesta nova temporada, o grande barato é servi-la com refeições caprichadas sem perder o refinamento ou estragar o paladar. Sim, você pode harmonizar cerveja com entradas, pratos principais e sobremesas. Aqui, mostramos parcerias infalíveis.


De onde vem o sabor da cerveja
Malte: é a cevada germinada e depois seca - processo que deixa o grão doce (a fermentação do açúcar é o que produz o álcool). Pode ou não ser torrado. Maltes claros têm notas de pão ou nozes; os escuros, de tostado, café e chocolate.
Lúpulo: botão de flor que atua como conservante, é o responsável pelo amargor da cerveja e também por aromas herbais e florais.
Fermento: os fermentos lager têm pouca influência no sabor; já os ale emprestam à bebida aromas complexos de frutas e especiarias.
Um cardápio harmonizado com a bebida
A bebida e o prato não podem brigar nem roubar a cena um do outro. Receitas delicadas devem ser acompanhadas por cervejas de sabor igualmente sutil. Preparações mais fortes pedem uma cerveja cheia de personalidade.
Pense em cervejas claras e leves como vinho branco - elas geralmente vão bem com peixes - e em cervejas escuras e robustas como vinho tinto, combinando com carnes marcantes. De forma geral, doce combina com doce, ácido combina com ácido. E, quanto maior o amargor da cerveja, mais potência aromática precisa ter a comida para não ser ofuscada. Todas essas regras têm exceções. Quebre-as sem cerimônia. Experimente à vontade e crie suas harmonizações.
O cardápio completo
Paras entradas
Bierland
Salame, copa, presunto defumado... Esses petiscos precisam de uma cerveja com potência para não parecer água ao lado de sabores tão intensos. Faça como os alemães e escolha uma bebida escura e forte, como a bock. A Bierland (600 ml, na puromalte.com.br), feita em Blumenau, tem tons avermelhados por causa do malte torrado.
Paulaner
As cervejas de trigo têm o frescor e a acidez ideais para combinar com uma saladinha verde. Experimente esta Hefeweizen alemã, quase sem amargor, com deliciosos aromas que lembram banana e especiarias, como cravo. A Paulaner (500 ml, imigrantesbebidas.com.br) é uma boa opção.
Leffe Blonde
Sopas cremosas, de sabor suave e levemente adocicado, como as de mandioquinha ou de abóbora, pedem cervejas claras e com pouco amargor. Tente bebidas ao estilo belga, aromático e algo doce (e bem alcoólico). A belga Leffe Blonde (330 ml, paodeacucar.com.br) é fácil de achar e tem bom preço.
Heineken
A sabedoria de boteco nos ensina que petiscos fritos são par ideal para cervejas leves e refrescantes. Uma pilsen gelada é a pedida aqui. Então, deixemos os rótulos caros para mais tarde. A Heineken (600 ml, varanda.com.br) é feita apenas com malte (outras usam também arroz e milho) e não tem conservantes.
Para os pratos principais
Chimay Rouge
Carnes grelhadas têm sabor intenso e precisam de uma cerveja com estrutura. Bebidas escuras e fortes são as mais indicadas. Experimente a belga Chimay Rouge (750 ml,cervejasocialclube.com.br), do estilo dubbel. Ou peça uma pilsen gelada: não vai combinar, mas também não vai matar ninguém.
Brooklyn Sorachi Ace
A delicadeza do peixe não pode ser atropelada por uma bebida encorpada ou amarga demais. Pilsen e cervejas de trigo caem bem, mas experimente a americana Brooklyn Sorachi Ace (750 ml,puromalte.com.br). Feita com um raro lúpulo japonês, tem aromas cítricos e não é amarga.
BrewDog 5 A.M. Saint
Pratos com sabores que não são delicados nem fortes demais, como espaguete ao sugo, combinam com a amber ale, estilo inglês que vai pelo mesmo caminho: é âmbar, não é clara nem escura. Prove a Brew Dog 5 A.M. Saint (330 ml, altodospinheiros.com.br).
Colorado Indica
Misturar pratos orientais picantes com india pale ale - tipo de cerveja amargo e alcoólico - é um clássico. O amargor atenua a ardência da pimenta, que por sua vez faz a cerveja parecer menos amarga. Um bom exemplo do estilo é a Colorado Indica (600 ml, puromalte.com.br), de Ribeirão Preto (SP).
Para as sobremesas
Guinness
A cerveja stout, escura por causa do malte torrado, forma uma dupla tradicional com doces que levam café. O tiramisu combina com a Guinness (400 ml, imigrantesbebidas.com.br), cerveja irlandesa que parece forte, mas é menos alcoólica que a pilsen).
Baladin Xyauyù
Doces muito doces, como brasileiros e portugueses, não vão bem com cerveja. A não ser que ela seja quase um licor, como a barley wine, estilo de origem inglesa que não tem gás, é doce e muito alcoólica. A italiana Baladin Xyauyù Argento (500 ml, altodospinheiros.com.br) é cara, mas vale cada gole.
Backer 3 Lobos Exterminador
A bebida deve ter um bom grau de acidez para fazer par com doces à base de frutas cítricas, como torta de limão. Assim são as cervejas de trigo, com baixo amargor, ideais para combinar com açúcar. A Backer 3 Lobos Exterminador (355 ml, lojabacker.com.br), é uma opção.
Wäls Petroleum
Chocolate escuro, pouco doce, harmoniza com cervejas negras, alcoólicas e licorosas. O estilo imperial stout preenche esses requisitos. Melhor ainda se a bebida tiver cacau na fórmula, como a mineira Wäls Petroleum (375 ml, clubedomalte.com.br).

- CRÉDITOS -

segunda-feira, 17 de junho de 2013

VENDA DE CERVEJAS ARTESANAIS AMERICANAS NO BRASIL AUMENTA 150% EM UM ANO


RIO – O Tio Sam pode estar querendo conhecer a nossa batucada, como diz o samba-exaltação de Assis Valente, mas quer também trazer sua cervejinha para acompanhar a festa. 

E não é qualquer cerveja: são as “craft beers”, de fabricação artesanal, cuja presença está invadindo o mercado brasileiro especializado na bebida, depois de sucessivas ondas de belgas e alemãs

As exportações de cervejas deste tipo dos Estados Unidos, segundo dados da Associação Americana de Cervejeiros (BA, na sigla em inglês) cresceram 150%, passando de 215 mil litros (1,8 mil barris) em 2011 para 539,8 mil litros (4,6 mil barris) em 2012.


O número representa, porém, apenas 1,03% dos 44,6 milhões de litros de cerveja importados pelo Brasil no ano passado, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, e 0,03% dos 1,5 bilhão de litros produzidos pelas pequenas e médias empresas nos EUA. 

Para garantir que os números deste ano sejam melhores, uma comitiva de integrantes da BA vai desembarcar em São Paulo para participar da Brasil Brau, maior feira do setor cervejeiro no país, de 25 a 27 de junho. Eles farão palestras sobre o mercado americano, exportação e ações sustentáveis, além de degustações, no evento.

A Associação de Cervejeiros dos EUA classifica como artesanais as que produzem abaixo de 6 milhões de litros por mês e são independentes, ou seja, não têm ligações com as grandes indústrias. No ano passado, elas representaram 6,5% do volume total de cervejas nos Estados Unidos e 10,2% do faturamento

Atualmente, dez cervejarias artesanais americanas relatam ter vendas para o Brasil, explica o diretor de Operações da BA, Eric Rosenberg, que representa o Programa de Apoio à Exportação que a associação mantém em parceria com o Departamento de Agricultura dos EUA.


— Algumas cervejarias estão tendo sucesso com as exportações para o Brasil e isto está atraindo o interesse de outras cervejarias dos Estados Unidos. Acho que o interesse neste comércio com o Brasil vai continuar crescendo — diz ele.

Esforço recompensado


A onda começou em 2009, quando representantes da BA vieram ao Brasil e encomendaram um amplo estudo sobre o mercado local de cervejas artesanais e "premium" – designação adotada pela indústria para as cervejas de estilos e ingredientes diferenciados. Os resultados não foram muito animadores, mas eles voltaram nos dois anos seguintes, com munição na bagagem. 

Trouxeram amostras, contataram especialistas em gastronomia, fizeram apresentações e jantares harmonizados para convencer os potenciais compradores.

O esforço foi recompensado e alguns contratos foram fechados. Desta vez, eles trouxeram na bagagem rótulos das cervejarias Alameda, Caldera, Cisco Brewers, Choc Beer, Epic, Lagunitas, Lakefront, Oskar Blues, Rogue, Stone, Uinita, Sierra Nevada e Odell. poderão ser conhecidos no estande da importadora paulista Tarantino Multibeer, que traz regularmente para o Brasil rótulos de três americanas: Anderson Valley, Founders e Rogue.

A realidade de impostos elevados detectada no estudo do mercado não mudou, diz Rosenberg, mas algumas mudanças fundamentais ocorreram na área de logística:
— A alfândega brasileira requer um certificado sanitário para cerveja importada, mas apenas de laboratórios aprovados nos Estados Unidos. 

Anos atrás, havia poucos laboratórios e a maioria era afiliada a uma das grandes indústrias cervejeiras. Hoje, existem mais, o que torna o trabalho das cervejarias mais fácil. Além disso, quando visitamos o Brasil pela primeira vez, os importadores não estavam preparados para manter a cerveja sob refrigeração, o que é muito importante para as cervejarias artesanais americanas. Hoje, há importadores capazes de atender a essa necessidade.

Mas o principal motivo para a maior presença das cervejas artesanais é o próprio aumento do consumo deste tipo de bebida entre o público brasileiro.
Existe demanda comprovada e os produtos estão vendendo apesar de chegarem a preços altos — sentencia.


- CRÉDITOS -


http://oglobo.globo.com/economia/venda-de-cerveja-artesanal-dos-eua-no-brasil-aumenta-150-em-um-ano-8679727

quinta-feira, 13 de junho de 2013

O FINAL DA SÉRIE "FRIENDS" - 2004


The Last One: o final de FRIENDS, em 2004.

A National Broadcasting Company (NBC) promoveu fortemente o final da série por semanas. O episodio foi exibido em telões em parques de Nova Iorque onde mais de três mil pessoas assistiram. As taxas de publicidade para o episódio foram de 2 milhões de dólares para um comercial de 30 segundos, quebrando o recorde do final de Seinfeld de 1,7 milhão de dólares.

No começo de cada episódio de Friends, o elenco era apresentado à plateia um de cada vez, mas desta vez todo o elenco saiu junto. 




Um mês antes da gravação do episódio final, Jennifer Aniston (Rachel) disse que a cada episódio ficou "mais difícil de ler o roteiro". Ela explicou que todo o elenco estava "nervoso [...] Ninguém sabe como se sente. Talvez precisemos ser sedados." Os produtores prometeram um final triste, e o elenco admitiu que seu choro não era falso quando eles filmaram suas cenas. Matt LeBlanc (Joey) revelou que havia sido demasiado para ele e para o resto do elenco; afirmando que Lisa Kudrow (Phoebe) foi a primeira a chorar, e quando ele olhou para Aniston e Courteney Cox (Monica) elas também estavam emocionadas. David Schwimmer (Ross) também estava abatido, então LeBlanc "não se conteve." Maggie Wheeler, que interpretava a ex-namorada de Chandler, Janice, disse à revista People que "o elenco inteiro teve que voltar e refazer a maquiagem antes de começar". Mathew Perry (Chandler) quebrou a tensão, dizendo: "Alguém será demitido." e o mesmo contou ao New York Daily News que não chorou: "mas sentiu que estava prestes a chorar por umas sete horas."

Depois das filmagens do episódio final terem sidas concluídas, o Estúdio 24 na Warner Bros. Studios, onde Friends foi filmado desde sua segunda temporada, foi renomeado para "The Friends Stage". Quando o set foi desarmado, cada membro do elenco e da equipe ficou com uma peça da rua em frente ao Central Perk em uma caixa de vidro como uma lembrança.

O final foi assistido por 52,5 milhões de telespectadores somente nos Estados Unidos.



Sugestão de Danielle Possidonio
Texto de Diego Vieira
Administração Imagens Históricas

terça-feira, 11 de junho de 2013

OS MELHORES TIMES DO MUNDO EM 2013

Na última semana a FIFA divulgou o ranking atualizado dos 30 melhores times do mundo em 2013. Em destaque o Clube Atlético Mineiro, único representante da América do Sul entre os 30 melhores classificados, fruto da ótima campanha na Copa Libertadores da América 2013 e do título do Campeonato Mineiro!

Para conhecer a tabela completa, basta clicar no link abaixo:

CRÉDITOS

http://www.footballdatabase.com/worldrankings.php?Rnk=1http%3A%2F%2Fwww.footballdatabase.com%2Fworldrankings.php%3FRnk%3D1

sábado, 8 de junho de 2013

TARANTINO'S MIND

Como fã inveterado de cinema, dias atrás tive uma surpresa agradável!! Conversando com alguns amigos no buteco PATORROCO, localizado no Bairro Prado, cidade de  Belo Horizonte/MG, o assunto do momento era Quentin Tarantino, na minha opinião um dos melhores diretores do cinema atual!!


E não é que nosso amigo Marcus Paulo, vulgo "Micus", comentou sobre um curta metragem pouco conhecido do grande público brasileiro de nome TARANTINO'S MIND?

Pois é, eu nunca tinha ouvido falar desse curta, onde os ótimos Selton Mello e Seu Jorge, nos papéis de dois cinéfilos, sentados num bar de São Paulo conversam, entre choppes, palavrões e muitos absurdos, sobre toda a filmografia do cineasta, revelando curiosidades e coincidências a princípio inacreditáveis, amarrando toda a obra do amalucado Tarantino.

No mesmo dia cheguei em casa, acessei o youtube e assisti o curta! Simplesmente SENSACIONAL!

Veja e tire suas conclusões!! UMA VIAGEM BACANA DEMAIS!!




quarta-feira, 5 de junho de 2013

AS 10 MELHORES CERVEJAS DO MUNDO

Direto do Blog GASTROLÂNDIA 
Este é o post mais acessado da história do Gastrolândia: mais de 115 mil pageviews. Centenas de comentários, algumas brigas, muita curiosidade. Por isso pedi para que o especialista em cervejas, Eduardo Passarelli, refizesse sua lista das 10 melhores do mundo. Aqui está, fresquíssima. Sinta-se a vontade para concordar, discordar, argumentar – só não vale xingar. Não é um ranking, significando que elas não estão em ordem de preferência, tá?


Ommegang Three Philosophers (Estados Unidos) – Já tem um bom tempo que esta cerveja americana é a minha predileta. É uma quadruppel, que tem 3% de lambic de cereja produzida pela Lindemans adicionada à sua fórmula. Sua força alcoólica de 9,8% é muito bem inserida na receita. Cerejas frescas são usadas em sua formulação. O sabor, claro, traz cerejas ao marasquino, vinho do porto e um quê de chocolate amargo.
Bamberg Camila, Camila (Brasil) – brasileira com alma checa. Com coloração amarelo escuro, traz notas florais de lúpulo e notas maltadas (caramelo e pão) no aroma. No paladar, apresenta novamente as notas maltadas, com leve adocicado, seguido do amargor do lúpulo.
La Folie Lips of Faith 2012 (EUA) – cerveja com agradável acidez, notas de malte que lembram toffee, madeira e baunilha.
Pannepot Grand Reserva (Bélgica) – safrada, produzida por uma microcervejaria belga. Pode ser guardada e é bastante complexa, evoluindo com o tempo. Notas licorosas, de frutas escuras secas, toffee, chocolate, calor do álcool, figo e madeira.
Orval (Bélgica)- produzida por monges trapistas, tem notas cítricas, condimentadas e de frutas secas. A produção cervejeira começou em 1931, com a finalidade de arrecadar fundos reconstruir a abadia, recém instalada em ruínas onde também já havia funcionado uma abadia, destruída durante a revolução francesa. A mais lupulada das trapistas.
Colorado Indica (Brasil) – foi importante na história cervejeira do Brasil, como porta de entrada para muitos amantes das boas cervejas. E voltou ao seu auge! Generosas quantidades de malte, lúpulo e rapadura.
Westvleteren 12 (Bélgica)- Trapista, até hoje uma das mais raras cervejas do mundo. Incrivelmente complexa. Malte, toffee, caramelo, frutas vermelhas, condimentado, lúpulo.
Ola Dubh 40 (Escócia) – Maturada em barris do uisque Highland Park, traz notas da bebida para a cerveja, a tornando única e surpreendente.
Pilsner Urquell (República Tcheca) – A mãe das pilsens, até hoje reina absoluta! Localizada na cidade checa de Plzeň (Pilsen), a 90km da capital Praga, a fábrica da Urquell é berço do estilo de cerveja mais consumido hoje no mundo, o pilsen. Em 1842, o cervejeiro Josef Groll criou uma fórmula de uma cerveja loira, límpida e suave, que rapidamente conquistou paladares pelo mundo.
Heineken (Holanda)- não poderia deixar de fora da lista a minha cerveja do dia-a-dia. Puro malte, sem conservantes, com agradável amargor e, ainda por cima, bom preço.

DICA DA SEMANA: ONDE COMPRAR PRODUTOS IMPORTADOS E GRANDES MARCAS PAGANDO POUCO

Batons ou Blush Sheert Shimmer Sunbasque MAC? Lingerie Victoria's Secret? Perfume Light Blue Dolce & Gabbana? Bolsas Tommy Hilfiger ou GUESS?

Pois bem, nossa DICA DA SEMANA é especialmente para você, que tem bom gosto e o mais importante: gosta de pagar pouco!!



Na última semana foi inaugurada a loja virtual USABazaar, especializada na venda de produtos importados originais, como bolsas, maquiagens, roupas e acessórios das marcas: Guess, GAP, Tommy Hilfiger, Lacoste, Michael Kors, Victoria´s Secret, Calvin Klein, M.A.C, Hollister, Nike, Adidas, Puma, e outros.

Qualidade, bom atendimento e preços justos são a garantia da sua satisfação.

Abaixo link da loja no Facebook! Vale a pena conferir!

segunda-feira, 3 de junho de 2013

BANHO DE CERVEJA FAZ BEM??


A ideia criativa veio de Minsk, Bielorrússia.

O salão de beleza ganhou muita popularidade entre os homens, tudo pelo serviço principal oferecido pelo estabelecimento: SPA banho de cerveja.

Na banheira, feita de madeira especial, é colocado cerca de “100 litros de água e 20 litros de cerveja, 20 minutos antes do cliente chegar”.




De acordo com responsável pelo salão, a cerveja é “rica em vitaminas do complexo B, que é bom para o cabelo e pele, além de curar dores nas articulações e ter efeito antibacteriano”.

Cada banho custa cerca de R$ 35 dólares. 



Você prefere tomar banho ou beber? Deixe seu comentário...

- CRÉDITOS -

Clube da Cerveja